top of page

A pandemia da gripe espanhola em Uberaba, revivendo um passado atual

No TBT de hoje trouxemos uma breve pesquisa sobre a gripe espanhola, uma gravíssima doença que se tornou uma pandemia e transformou o mundo de forma parecida com o que estamos vivendo atualmente com o coronavírus. O conteúdo traz alguns dados sobre essa devastadora gripe que deixou a humanidade em pânico. 

Gripe Espanhola em Uberaba – 1918

Em meio a primeira guerra mundial, mais especificamente no mês de fevereiro de 1918, se inicia o ciclo de uma doença que, até então, tinha como epicentro a cidade Sán Sebastian na Espanha. Tratava-se de uma pandemia que se deu com a mutação do vírus influenza a, o que levou as pessoas ao pânico e desespero, instaurando o verdadeiro caos no mundo todo.  Arquivos e registros históricos descrevem que, no Brasil, acreditava-se que a doença chegara ao país por meio do navio inglês Demerara, vindo da Europa, atracado no Recife em setembro de 1918. As notícias sobre a gripe não surtiam muito efeito para os brasileiros e alguns países não permitiam a divulgação sobre a crise, além do mais, havia um oceano que separava o país de onde se encontrava o foco da doença. O que ninguém esperava era o rápido avanço da gripe ao chegar, por meio de um navio, ao Brasil. Além de Recife, o Demerara desembarcou no Rio de Janeiro e Santos. A pandemia infectou cerca de 500 milhões de pessoas, matando, em média, 50 milhões. Algumas cidades, como o Rio de Janeiro, uma das mais atingidas, carregam na memória o que relatam como pânico, assombro e horror. Cadáveres eram deixados nas portas das casas, carroças recolhiam os corpos em pilhas e encaminhavam até os cemitérios. Coveiros foram infectados e a polícia obrigava homens mais “robustos” a cavarem covas e sepultarem as vítimas fatais da doença.

Gazeta de Notícias mostra o caos no Rio de Janeiro. Arquivo da Biblioteca Nacional. A cidade de Uberaba também sofreu suas consequências. Por aqui cerca de 300 pessoas vieram a óbito, conforme consta no Livro de Registro de Sepultamentos do Cemitério São João Batista de Uberaba. Segundo o arquivo público de Uberaba, a pandemia ocasionou um colapso no cotidiano uberabense, uma vez que, a única empresa funerária da cidade não conseguia atender a demanda de sepultamentos, sendo que as urnas funerárias passaram a ser produzidas artesanalmente pela própria população que se responsabilizava por enterrar os mortos. Os doentes da zona rural eram conduzidos em redes, por parentes ou amigos, a procura de atendimento médico. Algumas pessoas contaminadas eram deixadas às margens das estradas rurais, ainda vivas, para serem enterradas no dia seguinte, depois do falecimento.


E não muito diferente do que vivemos hoje, as autoridades da época tomaram medidas para evitar a propagação da doença. O cenário poderia ser usado para descrever o que vivemos nos dias atuais, se relacionarmos com o período de quarentena e o isolamento social. “Notadamente as ruas ficaram desertas. Desertas as confeitarias e clubs, tendo-se até fechado dezoito casas commerciaes nas principaes ruas. Algumas pharmacias figuram entre essas casas.” (Lavoura e Comércio, 20 de outubro de 1918. p.3). Tendo em vista a grande necessidade de medidas de contenção, a própria Câmara Municipal em instalou postos de socorro na cidade, fornecendo remédios e nomeando Álvaro Caldeira para o cargo de delegado de Higiene Municipal. Que posteriormente lançou um boletim para a população: "Medidas preventivas contra a grippe hespanhola": (...) 2º Evitar o contato das pessoas em cujo domicílio houver casos de grippe; não receber visitas em caso de doenças, sinão depois do diagnóstico médico; não permanecer em logares em que haja agglomeração (theatros, cinemas, etc.); evitar resfriamentos, que são a porta aberta à infecção. 3º Friccionar o corpo com toalha felpuda, embebida ou não em alcool de 40 gráus, caso se esteja com as roupas ou pés molhados, lavar frequentemente as mãos com agua e sabão, esfregando-as antes das refeições, com alcool, quando possivel. 4º Não comer frutas verdes, nem dar às creanças ballas coloridas ou doces indigestos, evitar perturbações gastricas e toda sorte de excessos ou fadigas; não usar de verduras, sinão depois de bem lavados. 5º Usar gargarejos com aguas oxygenada (diluída em parte egual de aguar fervida), com agua salgada (1 colhar de chá de sal de cozinha para meio copo d'agua fervida), com agua salgada (1 colher de chá de sal de cozinha para meio copo d'agua fervida), com cozimento de folhas de goiabeira ou ainda com succo de limão (o succo de um limão misturado em meio copo d'agua fervida); as pessoas abastadas poderão usar, de preferencia, o seguinte colluctorio: Titura de iodo -2gr; Menthol -20 centígramas, Clycerina - 20 gras. 6º Applicar no nariz, pela manhã e à tarde, algumas gottas de glycerina com menthol e goomenol ou aspirol, acido borico mentholado (...) (Lavoura e Comércio, 28 de novembro de 1918) Três meses depois do seu aparecimento na cidade, no final de 1918, a Gripe Espanhola registrava seus últimos casos. Trazendo para o contexto atual, Uberaba vive medos parecidos com os quais teve que lidar com a chegada da gripe espanhola. O avanço das tecnologias, a globalização e o grande crescimento populacional, são aspectos cruciais que contribuem para a atual situação pandêmica na cidade. O isolamento social e o período de quarentena, tornam-se um grande desafio para a população. Atualmente, segundo o boletim epidemiológico da Prefeitura Municipal de Uberaba, sobre o coronavírus, já são 16 casos confirmados, 86 suspeitos e 1 óbito em investigação. Em contra partida 3 casos já foram curados. O prefeito decretou a reabertura do comércio na cidade, com algumas restrições, como por exemplo o distanciamento social e o uso de máscaras, tanto dos comerciantes quanto do grande público consumidor.  É inevitável não relacionarmos 1918 aos dias atuais, o que coloca a reflexão de como a história é cíclica e tem a nos ensinar. Contra fatos e dados não há argumentos, por isso é cada vez mais importante que a política e consequentemente as decisões que atingem a todos nós, sejam feitas com base em evidências. A gestão pública em qualquer momento é algo que deve considerar sempre as pessoas em primeiro plano, portanto acredito que o isolamento protege a todos e coloca a saúde em primeiro lugar. Toda essa pandemia nos coloca também em um momento de reflexão e ressignificação de como será o mundo, o Brasil e Uberaba depois dessa crise e de como devemos nos preparar para os próximos anos com relação a saúde, economia, educação, entre outros diversos aspectos. Fontes: Arquivo Público Municipal de Uberaba. Site: https://www.medium.com/@ayshila/gripe-espanhola-caipirinha-é-inventada-como-remédio-morte-do-presidente-do-brasil-e-de-50-milhões-4394ce288b2 Site: https://oglobo.globo.com/cultura/quando-virus-vinha-de-navio-24321233

5 visualizações0 comentário
bottom of page